quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Análise da música " Monte Castelo " de Legião Urbana (que tem como compositor Renato Russo) de acordo com os princípios de textualidade: a intertextualidade e a intencionalidade.



De acordo com os conteúdos abordados em sala de aula sabemos que a intertextualidade é a relação que um dado textos tem com outros textos anteriormente criados, o que proporciona a seus leitores uma recapitulação de assuntos presentes em sua memória. Esse princípio da textualidade se apresenta de duas maneiras: explícita (constata-se a menção do texto base) e implícita (não faz menção do texto base, mas com um bom conhecimento é possível reconhecer  o texto fonte através das marcas textuais que o autor deixa).  No caso da intencionalidade se refere às intenções que o autor do texto tem para com seu destinatário.
 
A música a ser analisada nesses princípios é “Monte Castelo” de Renato Russo. Ela é um diálogo com o texto bíblico “O amor é um dom supremo’’ escrito pelo apóstolo Paulo à Igreja de Coríntios (que fala da sublimidade do amor como sentimento puro, verdadeiro e generoso) e o soneto de Camões “amor é um fogo que arde sem se ver” (que apresenta o amor existente entre homem e mulher). Além disso, analisando a música em seu contexto histórico percebemos que o seu nome também é um fator de intertextualidade, visto que nessa época ocorreram as Guerras Mundiais (I e II) e foi na Segunda Guerra Mundial que aconteceu a batalha de Monte Castelo (Itália), na qual a força expedicionária Brasileira (FEB), conhecida também como “os pracinhas", teve participação obtendo êxito apesar de seus soldados terem, em sua maioria sido dizimados.

Nesse caso, constatamos a presença de outro princípio de textualidade : a intencionalidade. O compositor conseguiu realizar esse diálogo entre o texto e o soneto que falam do amor de maneiras bastante distintas, com o intuito de mostrar que esse sentimento se realiza nas ações do homem e que apesar de manifestar seu lado puro também  é repleto de sofrimento e dor.  Ou seja, ele fala do amor existente entre  as pessoas em geral e que sua ausência provoca conflito entre as nações destruindo vidas e os sonhos daqueles  que esperam por dias de paz e justiça.

Essa música apresenta a intertextualidade implícita no 3º e 4º verso (ele molda fragmentos da carta escrita pelo apóstolo Paulo) e explícita nos demais fragmento da música (o compositor faz recortes dos dois texto em questão). Renato coloca trecho na música suas  próprias palavras o seguinte trecho: " É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade" e " Estou acordado e todos homens dormem todos dormem. A gora vejo em parte. Mas então veremos face a face". No qual fala dos homens que se envolveram no conflito, tanto dos sobreviventes como dos que morreram.


                                                                 Legião Urbana
                         
                         Monte Castelo                                                              
                                                                          
                                             Ainda que eu falasse
                                             A língua dos homens
                                             E falasse a língua dos anjos,
                                             Sem amor eu nada seria.

                                             É só o amor! É só o amor
                                             Que conhece o que é verdade.
                                             O amor é bom, não quer o mal,
                                             Não sente inveja ou se envaidece.

                                             O amor é o fogo que arde sem se ver;
                                             É ferida que dói e não se sente;
                                             É um contentamento descontente;
                                             É dor que desatina sem doer.

                                             Ainda que eu falasse
                                             A língua dos homens
                                             E falasse a língua dos anjos
                                             Sem amor eu nada seria.

                                              É um não querer mais que bem querer;
                                              É solitário andar por entre a gente;
                                              É um não contentar-se de contente;
                                              É cuidar que se ganha em se perder.

                                              É um estar-se preso por vontade;
                                              É servir a quem vence, o vencedor;
                                              É um ter com quem nos mata a lealdade.
                                             Tão contrário a si é o mesmo amor.

                                              Estou acordado e todos dormem.
                                              Todos dormem. Todos dormem.
                                              Agora vejo em parte,
                                              Mas então veremos face a face.

                                              É só o amor! É só o amor
                                              Que conhece o que é verdade.

                                              Ainda que eu falasse
                                              A língua dos homens
                                              E falasse a língua dos anjos
                                              Sem amor eu nada seria.
                                              -----------------------------------------




Apóstolo Paulo
                                                              
                                                          
O amor é um dom supremo (Coríntios I, cap. 13; vers.1 a 13)

                                                                                                     

1- Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2- E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3- E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4- O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
5- Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6- Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
7- Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta;
8- O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo      ciência, desaparecerá;
9- Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
10- Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
11- Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12- Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
13- Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.              

                                                         ------------------------------------------

 Luís vaz de Camões
                                                        
                                             Amor é fogo que arde sem se ver 
                                               
     
                                               Amor é fogo que arde sem se ver,
                                               é ferida que dói, e não se sente;
                                               é um contentamento descontente,
                                               é dor que desatina sem doer.

                                               É um não querer mais que bem querer;
                                               é um andar solitário entre a gente;
                                               é nunca contentar-se de contente;
                                               é um cuidar que ganha em se perder.

                                               É querer estar preso por vontade;
                                               é servir a quem vence, o vencedor;
                                               é ter com quem nos mata, lealdade.

                                              Mas como causar pode seu favor
                                              nos corações humanos amizade,
 
                                              se tão contrário a si é o mesmo Amor?



                                   
        

2 comentários:

  1. Parabens pela análise da musica,e tambem pela escolha a música é linda .O trabalho de vocês ficou muito bom em poucas palavras conseguiram explora a bem os recursos de textualidade presente na música.

    ResponderExcluir
  2. Senti falta de o texto se apresentar organizado em introdução, desenvolvimento e conclusão. De todo modo, valeu pelo conteúdo. Parabéns!!

    ResponderExcluir